sábado, 15 de junho de 2024

O que diz o texto: "A Arte e o Artista" na página do Jornal O Observador.

por Cleudimar Ferreira

imagem do acervo de Eduardo Pereira

Quando começou a ser publicadas na internet as primeiras informações sobre o passado da vida social em Cajazeiras, vieram com elas um baú de imagens desfiguradas, amareladas, envelhecidas, porém carregadas de história e de fatos marcantes sobre diversos assuntos ligados à nossa cidade.

Nesta imagem acima, que por sinal é de uma página inteira, de um periódico bimestral - “O Observador”, em breve circulação em Cajazeiras, entre os anos 1955-56, podemos ver que os conteúdos impressos nas suas folhas, pareceu ser revessado entre as informações políticas, passando por notas sociais, assuntos sobre a educação, terminando com generosas referências a arte e seus produtores - no caso mais específico os artistas.

Particularmente nessa página de “O Observador” -  jornal criado por José Pereira de Souza, revela que o informativo, que embora tenha circulado na década de 50, numa cidade de interior; apresentava uma boa diagramação e obviamente, um visual bem-organizado. Ou seja, de boa aparência gráfica, para uma época em que as gráficas do interior, nesse caso as de Cajazeiras, os recursos de impressão mais modernos que havia era os tipos gráficos e, em se tratando de recursos mais avançados, por exemplo o offset, apenas as gráficas dos grandes centros, com restrições, era possível ter.

A página ocreada pelo tempo de “O Observador”, doado por Francisco Sales Cartaxo a Eduardo Pereira, filho do editor desse antigo jornal cajazeirense, consta uma matéria (em destaque) com o título “A Arte e o Artista”, cujo texto ofuscado pelos anos de arquivo, é de difícil leitura. Escrito que venho tentando decifrar o seu teor há um bom tempo, mas sem sucesso. Entretanto, depois de várias tentativas de traduzir o seu teor, essa semana consegui, finalmente, ler com maior contudência e reescrever mais de 90% do seu conteúdo.

Pode parecer igenuidade minha, mas o meu interesse em saber o que a autor do texto escreveu na década de 50, sobre a atividade artística e a arte; está interligado com o meu interesse e preferência por assuntos ligados a arte e cultura. Nesse caso aqui, sobretudo o artigo “A Arte e o Artista” (destacado na imagem que ilustra essa postagem), a curiosidade era ler o que o jornalista, em janeiro de 1956, argumentou sobre a produção artística em Cajazeiras.

Registros indicam que entre as décadas de 1950 e 1960, a efervescência cultural da cidade, polarizava no intensivo movimento das artes cênicas, com surgimentos de fato, dos primeiros grupos de teatro amador, guiados pelo TAC - Teatro de Amadores de Cajazeiras, fundado em 1953, por Hildebrando Assis e seguido por Íracles Brocos Pires. Mas e as artes visuais, a dança e a músicas, como se comportou a produção dessas outras linguagens da arte nessas décadas?  

Portanto, será que o artigo “A Arte e o Artista”, em anexo na página acima do jornal “O Observador” dizia alguma coisa?  Quem tem interesse por arte, como eu, acho que queria saber. Sendo assim, veja a seguir o que como muito esforço eu consegui transcrever do ilegível texto que a imagem de “O Observador” apresenta.

A ARTE E O ARTISTA

Em sua concepção, sensu latos, dir-se-ia que a arte (...) é o próprio homem, sabendo-se, que a produz a faculdade de manifestações do espírito.
O certo é que, expressão peculiar e espontânea das tendências, deixaria de ser arte o que se poderia definir de transversal das vocações em si.
Ademais, restringir o sentido realmente da arte ao simples conceito do belo, seria o mesmo que limitar o homem a uma (...) de absurda alternativa (...) com efeito, sem o uso da razão, obstem não seria homem e a arte não existiria. Logo, “to be, or not to be” não tem no caso uma aplicação aceita ou nem faz sentido de base com o conceito de homem-arte.
Não usar (...) por a suprema criatura da natureza transformista: a sua propriedade, a sua qualidade, o uso direito, o seu dever e predicado mais que por si só possui (...), não apenas como fator estrutural, mas como faculdade (...) em limites de plena ou de função
O convencionalismo da arte, convenhamos, não em (...) brasileiras, as inclinações específicas do artista estão a esbarrar em (...) tão (...) quando as ramificações esquemáticas de toda sorte e ordem tá atividade do homem.
Daí por que, onde quer que se encontre um colo humano, seja entre as azas de um Douglas a cortar o .... momento, seja na superfície das águas e da terra, ou do fundo dos oceanos: onde quer que se dê o encontro, aí haverá sempre a palpitar a alma enigmática de um artista, a esculpir ou a bordar a natureza em toda a sua extensão.
Ignorantes os peritos, rudes ou delicados, os artistas são sempre iguais na essência da própria desigualdade. Como na fácies que se esboça na imaginativa do cinzelador da natureza - o homem semideus.
O conceito de homem-arte, em suma, universalizar se, em obstáculos de discrepância na ação individual por isto que, muitas vezes influências estranhas adulterara facilmente as variedades concepções do artista, dando lugar a incoerências concorrentes: deformação da tela, claudicação do seu criador. O medíocre, neste particular, chega mesmo a perder a independência de ação e sua concepção, transformando-se em típico fantoche, (em paralelo ao quadro real da vida) quando servil a intrusões useiras e vezeira.
Simples aplicação inexperiente e prejudicial (e até preventiva) da tinta errada, mas a fórmula, fica com o tempo que sempre se encarrega da devida colocação dos pontos nos “is”. E recomposição da verdadeira tela.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO




Nenhum comentário: