quinta-feira, 18 de julho de 2024

Cine Açude Grande - Festival de Cinema de Cajazeiras. Filmes Selecionados


Alô, Alô, Cinéfilos do mormaço. Preparem suas visionárias ilusões para uma experiência única no sertão. Está em movimento, chegando para colorir o inverno em Cajazeiras o V Cine Açude Grande - Festival de Cinema. O evento, acontecerá entre os dias 20 e 21 de agosto e 05 e 07 de setembro e, terá como grande homenageada, a atriz paraibana de teatro e cinema Zezita Matos.
Esse ano, junto com a programação de agosto, será desenvolvida a primeira edição do Lab Açude Grande de Roteiro, uma oficina onde os participantes terão a chance de explorar o processo criativo que envolve a construção de um roteiro. Uma oportunidade para aqueles que tem uma boa história para contar e experimentar a prática de ser um roteirista. 
Segundo os organizadores do festival, mais 400 filmes foram inscritos. Por conseguinte, segue a programação visual com filmes cuidadosamente analisados e selecionados, que irão brilhar nas telas das mostras competitivas. Portando, não perca a oportunidade de viver a sétima arte e, também, a de celebrar o cinema paraibano.  




sábado, 13 de julho de 2024

O ATOR BUDA LIRA SERÁ HOMENAGEADO NO VI FESTISSAURO, EM SOUSA

por Cleudimar Ferreira


Nesse ano de 2024 o VI FESTISSAURO - Festival de Cinema do Vale dos Dinossauros, importante evento do audiovisual sertanejo, realizado anualmente na cidade de Sousa, prestará homenagem a Ronaldo Lira, ou simplesmente Buda Lira - como é conhecido. O ator e produtor cultural Buda Lira é natural do município de Uiraúna, no Sertão paraibano e foi um dos fundadores do Projeto Folia de Rua em João Pessoa.

Buda Lira viveu sua infância e adolescência em Cajazeiras. Em nossa cidade, ainda muito jovem, nos anos 70, começou a ingressar nas atividades das artes cênicas. Engajado no intensivo movimento que a cidade apresentava na atividade teatral, ele teve a oportunidade de trabalhar com grupos amadores, mantendo uma forte atuação na vida cultural da cidade.

Tempos depois, mudou-se para a capital João Pessoa, onde continuou trabalhando no teatro amador, participando dos eventos de organização do setor cultural, tanto no município de João Pessoa quanto a nível estadual, tendo como referência desse momento a sua atuação no NTU - Núcleo de Teatro Universitário, órgão ligado a UFPB, onde chegou a ser presidente da Federação Paraibana de Teatro Amador (FPTA), indo mais além, sagrando-se membro da Confederação Nacional de Teatro Amador (CONFENATA).

Em 1989, tornou-se um dos criadores do CAFUÇU - Bloco Carnavalesco, que adotou como emblema do carnaval popular de rua, a irreverência dos figurinos bregas e acessórios exagerados, extravagantes, para levar a animação ao pré-carnaval pessoense. Depois, participou da fundação do projeto Folia de Rua, iniciativa que veio reunir os blocos pré-carnavalescos da capital paraibana.

Como ator, teve atuação marcante em grandes montagens do teatro paraibano. A título de exemplo, foi a sua presença no elenco da peça teatral "Papa Rabo", espetáculo dirigido por Fernando Teixera, em 1982, além da sua participação em destacados filmes do cinema nacional, como os filmes Aquarius (que concorreu à Palma de Ouro no Festival de Cannes de 2016) e, mais recentemente, Bacurau (que conquistou o Prêmio do Júri em Cannes, em 2019, tornando-se o segundo filme brasileiro da história a ser premiado no certame geral, depois de O Pagador de Promessas).

Com todo esse perfil, a homenagem que o FESTISSAURO agraciará ao ator Buda Lira, ficará pequena, dado a grandiosidade do seu legado até aqui na dramaturgia da Paraíba, bem como, a sua genialidade e talento. Atributos desse ator, que é mais cajazeirense do que cajazeirado; que tanto vem contribuído para o enriquecimento do nosso cinema paraibano, nordestino e brasileiro.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO






segunda-feira, 8 de julho de 2024

TEATRO ICA: um espaço livre e democrático para a arte e cultura de Cajazeiras.

por Francisco Ernandes



Quero iniciar este comentário, fazendo uma citação ao Filósofo, crítico e autor teatral, Jean-Poul Sartre, que no ano de 1945, apresentou para o mundo uma das suas mais importantes frases:

"O inferno são os outros", por coincidência ou por obra das divindades, a informação consta em uma peça de teatro assinada pelo escritor francês, intitulada "entre quatro paredes", em que três personagens eram condenados a passar a eternidade no inferno, fazendo companhia uns aos outros.

O que tem isso haver com a nossa querida casa de espetáculos, o Teatro Ica?

Então vejamos, a poucos dias atrás, houve uma mudança de direção naquele espaço, promovida pela FUNESC/Governo do Estado da Paraíba, a quem o teatro Ica pertence, onde foi empossada, a produtora cultural Isabel Nonato, esposa do artista Raimundo Nonato, proprietário do Rancho Sem Portas, no Sítio Xique-Xique, município de Cajazeiras, onde desenvolve importantes eventos artísticos e culturais.

Eu venho acompanhando através das redes sociais e rádios de Cajazeiras, uma polêmica desnecessária e estéril protagonizada pelo coreógrafo e coordenador do Grupo de Danças de Rua, Joel Santana, meu amigo-pessoal, mas entendo que a sua reivindicação não tem menor sentido, por se tratar de querer ensaiar no hall do teatro Ica, sendo ali uma área destinada a exposições de artes, recepção, entrada e saída de pessoas, entre outras finalidades.

Sei também que existe no Teatro Ica uma sala de dança, dotada de espelhos, climatizada com capacidade para até 30 pessoas praticarem os seus ensaios.

Li o documento encaminhado pela nova diretora, explicando para Joel Santana, toda essa situação, inclusive com o aval da FUNESC, em respeito ao regulamento do funcionamento do Teatro Ica.

Voltando ao início do comentário, sobre a célebre frase do filósofo, "o inferno são os outros", devo dizer, pela longa vida dedicada ao teatro, que já fui pedra e vitrine, hoje penso muito antes de falar ou fazer alguma coisa, por mais simples que ela seja, pra depois não ter que engolir no seco...

Hoje quem dirige o nosso Teatro Ica é a produtora cultural Isabel Nonato, ontem foram tantos outros, a exemplo de Ubiratan de Assis, Jocélio Amaro, Rivelino Martins, Eu, Junior Terra, Beethoven Dantas, Orlando Maia, Osvaldo Moésia e amanhã poderá ser você Joel Santana, portanto o que precisamos nesse momento crucial, onde tudo se leva para o campo politiqueiro, é receber a nossa nova Diretora, ou Gerente Operacional do Teatro Ica e dar as boas-vindas, construir com ela novos caminhos e propostas para um bom fomento naquele espaço de todas as artes e de todos, todas e todos nós. Tenho dito!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO



fonte: postagem publicada no facebook de Francisco Ernandes. https://www.facebook.com/Hernandezteatro

segunda-feira, 1 de julho de 2024

Mais uma vez, o pão de Saóra é lembrado em postagem na internet

por Cleudimar Ferreira

As imagens (remotas), autênticas, mostra como tudo começou

As fotos que ilustra esse texto, revela como foram os primórdios; o antes e o depois, da panificação em Cajazeiras. O que marcou o pioneirismo dessa atividade na cidade, a importância da destacada chegada, em 1947, de Severino Cabral dos Santos (1918-2004) - seu Saóra, como era chamado, como era conhecido por todos do seu convívio social.

Saóra era natural do município de Teixeira, região sul da Paraíba e, havia começado a trabalhar como padeiro, aos 9 anos, nas padeiras da cidade de Patos, no sertão paraibano. E foi em Patos, de padaria em padaria, que Saóra adquiriu experiência, até chegar a desenvolver uma forma diferente de preparar a massa para fabricação do pão, que mais tarde se tornaria famoso em Cajazeiras.

Isso mesmo! Com sua migração para Cajazeiras, em 1947, talvez nem imaginasse que o seu preparo, se tornasse um sucesso no paladar dos habitantes cajazeirenses, a ponto de atravessar o tempo, passando de gerações em gerações, até chegar à mesa dos consumidores atuais.

A família conta que seu Saóra, ao chegar em Cajazeiras, passou a compartilhar com os padeiros da cidade, dicas e sua experiência na fabricação do pão. “Ele foi ensinar aos padeiros como fazia a fermentação; a trabalhar a massa. Ele levou todo um conhecimento consigo e disseminou, menos a receita do pão dele, risos... Em um mês, ele já conseguiu montar a padaria dele, que chamava de gangorra - nome dado as padarias pequenas no bairro nas Capoeiras”.

A receita que fez com que o pão de Saóra se tornasse uma iguaria preferida no café dos cajazeirenses e cajazeirados, foi a simplicidade de como ele trabalhava a massa. O pão que até hoje agrada seus consumidores, é semelhante ao pão francês, porém com uma ressalva: a massa é mais densa, mais leve, livre de produtos químicos e, processo de fabricação é totalmente manual, ainda assado em forno de lenha, sem nenhum tipo de conservantes, aditivos químicos ou antimofos e outros utilizados na panificação industrial.

“Utilizamos fermento biológico em baixíssima quantidade e a massa passa por aproximadamente cinco horas de descanso para a fermentação” explicou Jana Barbosa, neta do padeiro e gerente da padaria que a família tem em João Pessoa.

Com a sua ascensão e conquista popular do paladar dos cajazeirenses, o pãozinho de Saóra, rompeu fronteiras, o que fez se tornou, em 2021, Patrimônio Cultural Imaterial da Paraíba. Agora bem mais conhecido e famoso, a marca Saóra cativou a família do padeiro a expandir a fabricação do pão em outras paragens, passando a ser fabricado também na capital do Estado - João Pessoa.

Justificando a tradição ou entendendo que a história de seu Saóra e o pão é cultural e, que cultura precisa ser preservada, em Cajazeiras, a padaria ficou sob os cuidados de José de Arimatéia Cabral - Beré e do seu filho Joab, respectivamente, filho e neto de seu Saóra; e a padaria de João Pessoa, sob a responsabilidade de Jana Cabral, também neta do padeiro e filha de José de Arimatéia Cabral - Beré.

Imagens dos dias hoje. Qualidade e sabor do pão de Saóra mantidos

DEIXE O SEU COMENTÁRIO     




Fonte: Jana Cabral, filha de Beré e neta de Saóra

sábado, 15 de junho de 2024

O que diz o texto: "A Arte e o Artista" na página do Jornal O Observador.

por Cleudimar Ferreira

imagem do acervo de Eduardo Pereira

Quando começou a ser publicadas na internet as primeiras informações sobre o passado da vida social em Cajazeiras, vieram com elas um baú de imagens desfiguradas, amareladas, envelhecidas, porém carregadas de história e de fatos marcantes sobre diversos assuntos ligados à nossa cidade.

Nesta imagem acima, que por sinal é de uma página inteira, de um periódico bimestral - “O Observador”, em breve circulação em Cajazeiras, entre os anos 1955-56, podemos ver que os conteúdos impressos nas suas folhas, pareceu ser revessado entre as informações políticas, passando por notas sociais, assuntos sobre a educação, terminando com generosas referências a arte e seus produtores - no caso mais específico os artistas.

Particularmente nessa página de “O Observador” -  jornal criado por José Pereira de Souza, revela que o informativo, que embora tenha circulado na década de 50, numa cidade de interior; apresentava uma boa diagramação e obviamente, um visual bem-organizado. Ou seja, de boa aparência gráfica, para uma época em que as gráficas do interior, nesse caso as de Cajazeiras, os recursos de impressão mais modernos que havia era os tipos gráficos e, em se tratando de recursos mais avançados, por exemplo o offset, apenas as gráficas dos grandes centros, com restrições, era possível ter.

A página ocreada pelo tempo de “O Observador”, doado por Francisco Sales Cartaxo a Eduardo Pereira, filho do editor desse antigo jornal cajazeirense, consta uma matéria (em destaque) com o título “A Arte e o Artista”, cujo texto ofuscado pelos anos de arquivo, é de difícil leitura. Escrito que venho tentando decifrar o seu teor há um bom tempo, mas sem sucesso. Entretanto, depois de várias tentativas de traduzir o seu teor, essa semana consegui, finalmente, ler com maior contudência e reescrever mais de 90% do seu conteúdo.

Pode parecer igenuidade minha, mas o meu interesse em saber o que a autor do texto escreveu na década de 50, sobre a atividade artística e a arte; está interligado com o meu interesse e preferência por assuntos ligados a arte e cultura. Nesse caso aqui, sobretudo o artigo “A Arte e o Artista” (destacado na imagem que ilustra essa postagem), a curiosidade era ler o que o jornalista, em janeiro de 1956, argumentou sobre a produção artística em Cajazeiras.

Registros indicam que entre as décadas de 1950 e 1960, a efervescência cultural da cidade, polarizava no intensivo movimento das artes cênicas, com surgimentos de fato, dos primeiros grupos de teatro amador, guiados pelo TAC - Teatro de Amadores de Cajazeiras, fundado em 1953, por Hildebrando Assis e seguido por Íracles Brocos Pires. Mas e as artes visuais, a dança e a músicas, como se comportou a produção dessas outras linguagens da arte nessas décadas?  

Portanto, será que o artigo “A Arte e o Artista”, em anexo na página acima do jornal “O Observador” dizia alguma coisa?  Quem tem interesse por arte, como eu, acho que queria saber. Sendo assim, veja a seguir o que como muito esforço eu consegui transcrever do ilegível texto que a imagem de “O Observador” apresenta.

A ARTE E O ARTISTA

Em sua concepção, sensu latos, dir-se-ia que a arte (...) é o próprio homem, sabendo-se, que a produz a faculdade de manifestações do espírito.
O certo é que, expressão peculiar e espontânea das tendências, deixaria de ser arte o que se poderia definir de transversal das vocações em si.
Ademais, restringir o sentido realmente da arte ao simples conceito do belo, seria o mesmo que limitar o homem a uma (...) de absurda alternativa (...) com efeito, sem o uso da razão, obstem não seria homem e a arte não existiria. Logo, “to be, or not to be” não tem no caso uma aplicação aceita ou nem faz sentido de base com o conceito de homem-arte.
Não usar (...) por a suprema criatura da natureza transformista: a sua propriedade, a sua qualidade, o uso direito, o seu dever e predicado mais que por si só possui (...), não apenas como fator estrutural, mas como faculdade (...) em limites de plena ou de função
O convencionalismo da arte, convenhamos, não em (...) brasileiras, as inclinações específicas do artista estão a esbarrar em (...) tão (...) quando as ramificações esquemáticas de toda sorte e ordem tá atividade do homem.
Daí por que, onde quer que se encontre um colo humano, seja entre as azas de um Douglas a cortar o .... momento, seja na superfície das águas e da terra, ou do fundo dos oceanos: onde quer que se dê o encontro, aí haverá sempre a palpitar a alma enigmática de um artista, a esculpir ou a bordar a natureza em toda a sua extensão.
Ignorantes os peritos, rudes ou delicados, os artistas são sempre iguais na essência da própria desigualdade. Como na fácies que se esboça na imaginativa do cinzelador da natureza - o homem semideus.
O conceito de homem-arte, em suma, universalizar se, em obstáculos de discrepância na ação individual por isto que, muitas vezes influências estranhas adulterara facilmente as variedades concepções do artista, dando lugar a incoerências concorrentes: deformação da tela, claudicação do seu criador. O medíocre, neste particular, chega mesmo a perder a independência de ação e sua concepção, transformando-se em típico fantoche, (em paralelo ao quadro real da vida) quando servil a intrusões useiras e vezeira.
Simples aplicação inexperiente e prejudicial (e até preventiva) da tinta errada, mas a fórmula, fica com o tempo que sempre se encarrega da devida colocação dos pontos nos “is”. E recomposição da verdadeira tela.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO




quarta-feira, 12 de junho de 2024

Fogueiras acesas, apagadas e até proibidas

Damião Ramos Cavalcanti



Sonhei festas juninas da minha infância, era-nos festa de criança, tal qual como acontecia. Na verdade, o sonho é um regresso às circunstâncias vividas e desejadas. Se muito desejada, torna-se quase realizada, processa-se uma espécie de litíase que até em sonhos provoca tropeços. Não tenho certeza de que gente, que perdeu a memória, sonhe. Acho que depende da pedra que se formou nos passados idos. Pois, o sonho é um regresso aos caminhos, também aos apenas intencionalmente caminhados. Tal sonho, embora materialmente curto, era longo, nada excluía, tinha de tudo: fogo, fogos, fogueiras acesas, apagadas e até proibidas.

Repito: era-nos uma festa de criança, dona da simplicidade, tudo mais simples do que simples, contudo, com muitas cores e alegria. O santo da festa era um menino, dificilmente visto nas igrejas. Junto ao seu carneirinho, representando o primo Jesus; e ele vestido de pele de camelo, que, nos tempos de adulto, teria profetizado: “Eis o cordeiro de Deus”; disse outras verdades e, por isso, teve a cabeça cortada por Herodes, naqueles mundos, onde atualmente Netanyahu bombardeia crianças palestinas... Tudo de criança, do primo de Jesus, com roupa da simplicidade, mãe das virtudes. E é por isso que Luiz Gonzaga canta: “Ai, São João, São João do Carneirinho (...) Fale com São José (...) Peça pro meu mio dar/ Vinte espiga em cada pé”.  Também pintam o santo, enrolado de espigas, o que é a reza por maior fecundidade da safra que, além de gostosas pamonhas e canjicas, dá lagartas, sabugos para currais, cabelos e palhas para bonecas de milho.

Comprar fogos era o presente dos pais aos filhos, com o insistente aviso: cuidado para não se queimar. Lembranças tenho da vizinha Célia, noiva de João, que acendeu a pistola e segurou na mão, ao inverso, a saída da explosão. Mão sangrando, tudo parou, até o dia seguinte. Mesmo no sonho, a meninada corria pouco perigo: traque, estrelinha, chuveiro e bomba chilena. Também as casas ostentavam seu status pelo preço e diferenças dos busca-pés, bombas estrondosas, foguetões e fogos de artifício, daqueles inventados pela China, mas já fabricados pelos fogueteiros de Pilar.

Menino buliçoso gostava de mexer com fogo, pulando fogueira, cutucando as brasas ou jogando nas labaredas o resto de papel e papelão dos fogos usados. Meu pai, que não gostava de gastar, repetia que “comprar fogos é como queimar dinheiro”. Ou “solta foguetões quem pode”. A quadrilha se reservava ao fim, como se fosse divertimento de adulto. Os filhos de quem não podia ficavam de braços cruzados, admirando essas brincadeiras.

No outro dia, Alice, colega no Grupo Escolar, filha de uma das lavadeiras da cidade, no rio Paraíba, levantava-se logo cedo, ainda com o vestido sujo pela “tirna” das fogueiras para catar, pelas calçadas, ainda com sinais da noite anterior, traques ou chumbinhos que não tinham estourado, e assim guardava-os numa caixinha para modestamente festejar o seu São João. O nosso festejo continuava com os poucos fogos que sobravam do primeiro dia. Acordado, lembro-me dessas coisas recordadas pelo sonho e pela vida e suas noites de festa, de cada uma delas. Vale reviver essas noites, somente à noite o São João é festa. Atribui-se ao poeta Petrarca que La vita el fin, e ‘l dì loda la sera ou “o fim louva a vida; e a noite, o dia” ...  

DEIXE O SEU COMENTÁRIO


conteúdo original divulgado em: https://www.recantodasletras.com.br/

sexta-feira, 7 de junho de 2024

Filme ‘Cajazeiras Sitiada’, do diretor Janduy Acendino, é lançado; equipe técnica e artística é composta de pessoas da cidade sertaneja

O Grupo Tropa e Danças Regionais da cidade de Joca Claudino, participa do filme.

“Cajazeiras Sitiada” é o novo filme produzido inteiramente na cidade conhecida pela efervescência cultural no alto sertão paraibano com a equipe técnica e artística composta de pessoas da cidade. O filme foi rodado em três dias, durante o mês de maio, sob a direção do cineasta Janduy Acedino, e recupera um importante fato histórico que ocorreu na cidade.

Filme de curta-metragem narra um fato ocorrido em 28 de setembro de 1926 na cidade de Cajazeiras no alto sertão paraibano, onde o cangaceiro Sabino Gomes (braço direito de Lampião) e um grupo de cangaceiros sanguinários, invadiram a cidade, sitiando-a por mais de 6 horas. O terror e o medo se espalharam entre os moradores nesse episódio que marcou a história da cidade.

Devido a negativa de um ex-cangaceiro que não aceitou se juntar a Sabino Gomes, e a alerta dos moradores da cidade e um tenente da época, que juntaram poucos homens de coragem, foi possível montar uma tocaia que impediram os roubos e mais mortes na cidade. 

Mesmo tendo pesquisado, assistidos vídeos de pesquisadores como pesquisador e professor Francisco Pereira Lima, de ter lido o Carcará de Ivan Bichara e mais diversas matérias de blogs, o diretor afirma que: este curta não é uma aula de história, mas uma ficção, inspiradas em fatos e acontecimentos, adaptados para esse enredo do filme.

O curta metragem tem no elenco a maioria de atores cajazeirense que assumem o papel de protagonistas e coadjuvantes, como forma de valorizar e incentivar os artistas locais. Nas filmagens, estão Willame Loureço, Beethoven Dantas, Carrazera das Candinhas José Francilino, Rivelino Martins, Fernando Inácio, Pablo Diêgo, Deilson dos Santos, Aguinaldo Cardoso e a criança Vitor Benicio Rolim de Abreu, Kaka Venceslau e José Claudenor Venceslau. E a participação especial do Grupo Tropa e Danças Regionais da cidade de Joca Claudino.

Na área técnica, participam Janduy Acendino, roteiro e direção, Junior Imigrante na fotografia, Getúlio Salvíano no som direto, Crysmênia Rodrigues na Produção, Wellington Oliveira como assistente de direção, Jociana Cristina na Maquiagem, Mateus David no Gaffer e Haldemy Lima na Still.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO



fonte: Conteúdo original do site: https://fonte83.com.br/