quarta-feira, 12 de junho de 2024

Fogueiras acesas, apagadas e até proibidas

Damião Ramos Cavalcanti



Sonhei festas juninas da minha infância, era-nos festa de criança, tal qual como acontecia. Na verdade, o sonho é um regresso às circunstâncias vividas e desejadas. Se muito desejada, torna-se quase realizada, processa-se uma espécie de litíase que até em sonhos provoca tropeços. Não tenho certeza de que gente, que perdeu a memória, sonhe. Acho que depende da pedra que se formou nos passados idos. Pois, o sonho é um regresso aos caminhos, também aos apenas intencionalmente caminhados. Tal sonho, embora materialmente curto, era longo, nada excluía, tinha de tudo: fogo, fogos, fogueiras acesas, apagadas e até proibidas.

Repito: era-nos uma festa de criança, dona da simplicidade, tudo mais simples do que simples, contudo, com muitas cores e alegria. O santo da festa era um menino, dificilmente visto nas igrejas. Junto ao seu carneirinho, representando o primo Jesus; e ele vestido de pele de camelo, que, nos tempos de adulto, teria profetizado: “Eis o cordeiro de Deus”; disse outras verdades e, por isso, teve a cabeça cortada por Herodes, naqueles mundos, onde atualmente Netanyahu bombardeia crianças palestinas... Tudo de criança, do primo de Jesus, com roupa da simplicidade, mãe das virtudes. E é por isso que Luiz Gonzaga canta: “Ai, São João, São João do Carneirinho (...) Fale com São José (...) Peça pro meu mio dar/ Vinte espiga em cada pé”.  Também pintam o santo, enrolado de espigas, o que é a reza por maior fecundidade da safra que, além de gostosas pamonhas e canjicas, dá lagartas, sabugos para currais, cabelos e palhas para bonecas de milho.

Comprar fogos era o presente dos pais aos filhos, com o insistente aviso: cuidado para não se queimar. Lembranças tenho da vizinha Célia, noiva de João, que acendeu a pistola e segurou na mão, ao inverso, a saída da explosão. Mão sangrando, tudo parou, até o dia seguinte. Mesmo no sonho, a meninada corria pouco perigo: traque, estrelinha, chuveiro e bomba chilena. Também as casas ostentavam seu status pelo preço e diferenças dos busca-pés, bombas estrondosas, foguetões e fogos de artifício, daqueles inventados pela China, mas já fabricados pelos fogueteiros de Pilar.

Menino buliçoso gostava de mexer com fogo, pulando fogueira, cutucando as brasas ou jogando nas labaredas o resto de papel e papelão dos fogos usados. Meu pai, que não gostava de gastar, repetia que “comprar fogos é como queimar dinheiro”. Ou “solta foguetões quem pode”. A quadrilha se reservava ao fim, como se fosse divertimento de adulto. Os filhos de quem não podia ficavam de braços cruzados, admirando essas brincadeiras.

No outro dia, Alice, colega no Grupo Escolar, filha de uma das lavadeiras da cidade, no rio Paraíba, levantava-se logo cedo, ainda com o vestido sujo pela “tirna” das fogueiras para catar, pelas calçadas, ainda com sinais da noite anterior, traques ou chumbinhos que não tinham estourado, e assim guardava-os numa caixinha para modestamente festejar o seu São João. O nosso festejo continuava com os poucos fogos que sobravam do primeiro dia. Acordado, lembro-me dessas coisas recordadas pelo sonho e pela vida e suas noites de festa, de cada uma delas. Vale reviver essas noites, somente à noite o São João é festa. Atribui-se ao poeta Petrarca que La vita el fin, e ‘l dì loda la sera ou “o fim louva a vida; e a noite, o dia” ...  




conteúdo original divulgado em: https://www.recantodasletras.com.br/

sexta-feira, 7 de junho de 2024

Filme ‘Cajazeiras Sitiada’, do diretor Janduy Acendino, é lançado; equipe técnica e artística é composta de pessoas da cidade sertaneja

O Grupo Tropa e Danças Regionais da cidade de Joca Claudino, participa do filme.

“Cajazeiras Sitiada” é o novo filme produzido inteiramente na cidade conhecida pela efervescência cultural no alto sertão paraibano com a equipe técnica e artística composta de pessoas da cidade. O filme foi rodado em três dias, durante o mês de maio, sob a direção do cineasta Janduy Acedino, e recupera um importante fato histórico que ocorreu na cidade.

Filme de curta-metragem narra um fato ocorrido em 28 de setembro de 1926 na cidade de Cajazeiras no alto sertão paraibano, onde o cangaceiro Sabino Gomes (braço direito de Lampião) e um grupo de cangaceiros sanguinários, invadiram a cidade, sitiando-a por mais de 6 horas. O terror e o medo se espalharam entre os moradores nesse episódio que marcou a história da cidade.

Devido a negativa de um ex-cangaceiro que não aceitou se juntar a Sabino Gomes, e a alerta dos moradores da cidade e um tenente da época, que juntaram poucos homens de coragem, foi possível montar uma tocaia que impediram os roubos e mais mortes na cidade. 

Mesmo tendo pesquisado, assistidos vídeos de pesquisadores como pesquisador e professor Francisco Pereira Lima, de ter lido o Carcará de Ivan Bichara e mais diversas matérias de blogs, o diretor afirma que: este curta não é uma aula de história, mas uma ficção, inspiradas em fatos e acontecimentos, adaptados para esse enredo do filme.

O curta metragem tem no elenco a maioria de atores cajazeirense que assumem o papel de protagonistas e coadjuvantes, como forma de valorizar e incentivar os artistas locais. Nas filmagens, estão Willame Loureço, Beethoven Dantas, Carrazera das Candinhas José Francilino, Rivelino Martins, Fernando Inácio, Pablo Diêgo, Deilson dos Santos, Aguinaldo Cardoso e a criança Vitor Benicio Rolim de Abreu, Kaka Venceslau e José Claudenor Venceslau. E a participação especial do Grupo Tropa e Danças Regionais da cidade de Joca Claudino.

Na área técnica, participam Janduy Acendino, roteiro e direção, Junior Imigrante na fotografia, Getúlio Salvíano no som direto, Crysmênia Rodrigues na Produção, Wellington Oliveira como assistente de direção, Jociana Cristina na Maquiagem, Mateus David no Gaffer e Haldemy Lima na Still.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO



fonte: Conteúdo original do site: https://fonte83.com.br/

segunda-feira, 3 de junho de 2024

Desabafo do sanfoneiro, ou como as bandas deturparam o que se conhecia como forró

por José Teles

Sanfoneiro Genaro ex - integrante do Trio Nordestino

Em 2002, nos 90 anos de Luiz Gonzaga, fui cobrir a festa no Exu. Teve shows na praça no Centro da cidade. A atração principal era Dominguinhos. Ele começou a cantar e, do outro lado da praça, uns agroboys, com as portas da camioneta abertas, tocavam bandas de fuleiragem a todo o volume. Foi a primeira vez que vi Dominguinhos irado. Ele interrompeu a apresentação, deu um esporro. Alguma autoridade local, não me lembro se a polícia, conseguiu o silencio, e o respeito, que Luiz Gonzaga e Dominguinhos mereciam.

Agora vejo cá no perfil @gonzagaonline o desabafo de Gennaro, um dos mais importantes forrozeiros vivos, ex-Trio Nordestino, que gravou com praticamente todos os grandes de gênero. Gennaro queixa-se de que não está tendo vez nos arraiais juninos, em que predominam bandas e intérpretes de lambada estilizada, que se dizem de forró, sertanejos, axezeiros e afins.

As bandas, surgidas no Ceará nos anos 80, foram formatadas pra copiar o Kaoma, armação de gringos, que estourou mundo afora, em 1988, com Lambada (Chorando se Foi). Morei alguns meses em fortaleza exatamente nesse tempo. As bandas nem tinham a ver com São João. Animavam bailes tocando lambada. 

Os vocalistas não tinham rosto. O empresário juntava dez doze músicos, que se revezavam no palco durante seis, cinco horas ininterruptas. Tinham carteira assinada. Ganhavam salários. Muitas vezes uma banda usava dois ou três nomes diferentes.

Entraram em cena quando Caruaru, Campina Grande, e outras cidades conhecidas pelos festejos juninos, resolveram fazer o “maior São João do mundo”. As bandas só tinham de forró, a sanfona (que fazia parte do instrumental da Kaoma), mas seus empresários descolaram um artifício para se inserir nesse novo cenário. Acrescentaram um “forró” antes do nome do grupo. O empresário mais empreendedor deles, fundou uma gravadora, uma rede de rádio, formou mais bandas. 

As rádios passaram a tocá-las nas suas programações. E logo, em pipocaram bandas em todos os estados nordestinos. A princípio foram rotulados de “oxente music”. Mas acabou pegando o “forró estilizado”, ou “eletrônico”, como se fossem o desenvolvimento do forró tradicional.

Ora, bem antes das bandas, no final dos anos 70, começo dos 80, Jorge de Altinho, Alcymar Monteiro, já usavam metais em seus discos e shows. Em 1972, Luiz Gonzaga passou a tocar com guitarra e baixo elétricos e bateria. Mas empresários de muita grana investiram pesado nas bandas. 

Nos anos 2000 a Som Livre, a gravadora da Globo, contratou algumas bandas A partir de então, no Centro-Sul forró é a música das bandas. Ignoram os forrozeiros autênticos, uma geração talentosa que começou também no final dos anos 80.

Chamar estas bandas de forró seria o mesmo que chamar a axé de frevo. Felizmente isto não aconteceu, senão teríamos o “frevo raiz”, pra distingui-lo do frevo eletrônico baiano.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO.



sábado, 1 de junho de 2024

A Arte Descartável em Cajazeiras

por Cleudimar Ferreira

Capa do catálogo da exposição em agosto de 1984

No início dos anos oitenta, a arte brasileira, ainda saindo do estado de anestesia, procurava novos rumos. Um efeito provocado pela perseguição de uma estética, onde a expressão anartístico do carimbo, dos postais, heliógrafos, vídeo e fax, formaram quase na sua totalidade os elementos mais vistos nas galerias de artes dos subsequentes anos setenta.

Um impacto visual que começou a perder força para o pós-modernismo, que avançou rápido sobre as massas, inaugurando um novo estilo de vida permeado basicamente, pelo espírito consumista, hedonista e narcisista, de característica extremamente individualista.

Com essa apoteótica febre do pós-moderno, na Paraíba, o NAC - Núcleo de Arte Contemporânea, ligado a UFPB, despontava nos primórdios anos oitenta, como promotor de grandes exposições e oficinas de artes desse gênero em João Pessoa e estendidas também para o interior do Estado, nos centros com maior engajamento artístico, como foi o caso de Campina Grande e a cidade de Areia, através da realização do seu Festival de Arte.

Foi também nesse período que a Paraíba viu nascer, em 1983, a Fundação Espaço Cultural José Lins do Rego, que passaria a ser o principal órgão realizador de intensivos eventos culturais de proporções maiores - como referência; o Workshop Brasil-Alemanha, em 1991 e a gigantesca mostra de arte expressionista alemã, em 1992.

Em Cajazeiras, nos indecisos primeiros anos oitenta, foi instalado no campus V da UFPB, o Núcleo de Extensão Cultural - NEC, que passou a ter uma caráter respondível na direção de quase todos os acontecimentos culturais de nossa cidade. Sob sua tutela, a sociedade cajazeirense viu surgimento em 1981, do primeiro intercâmbio de arte entre duas cidades - Cajazeiras e Campina Grande; viu também entre os anos de 1980 a 1983, a realização de sucessivas coletivas de artes plásticas na Biblioteca Pública Municipal.

Se os acontecimentos acima, reforça a tese dos antecedentes da pintura, que remontaram ao dadaísmo e ao pensamento de Marcel Duchamp, por serem ambos referência discriminatória a pintura, por ela representar o “bom gosto” da burguesia, O pós-moderno também sofreu suas modificações e passou a ter características marcantes, trazendo consigo traços de desmobilização e despolitização, se valendo de uso de materiais até então não convencionais a arte, como os descartáveis - no agora, protagonizados de recicláveis e passivos de serem aproveitados como objeto para a criação artística.

“Isso, porque já não se concebe uma limitação de só se expor obras em óleo, quando a arte brasileira anda cheia de alternativas e novas tendências de impacto visual e temático, que só evidenciam o seu potencial” afirmou, em 1984, a Artistas Plástica Telma Cartaxo, para justificar a realização da primeira exposição de Artes Descartáveis de Cajazeiras.

A exposição, como bem frisou Telma Cartaxo, se tornou naquele ano, em 1984, em um dos maiores eventos culturais do sertão e em especial de Cajazeiras, facultando a população a oportunidade de ver não os elementos da pintura propriamente dita, como a tela, as cores, os traços e linhas, mas observar um conteúdo composto de objetos e instalações, confeccionados a partir de papelão, linhas, madeiras, estopas e outros materiais geralmente descartáveis pelo comércio e a população cajazeirense. Foi algo inusitado para uma sociedade acostumada com a visão acadêmica que a pintura ainda revelava nas exposições anteriores, patrocinadas pelo setor de artes visuais do NEC.

Participaram da Exposição os artistas Gregório Guimarães, Marcos Túlio, Francisco Oliveira, Ricardo Figueiredo, Cleudimar Ferreira, Aldacira Pereira, Telma Rolim Cartaxo e Marcus Pê. A referida exposição foi realizada entre os dias 04 e 22 de agosto, na Biblioteca Pública Castro Pinto e teve o apoio da AUC - Associação Universitária de Cajazeiras, Funarte e Secretaria de Educação e Cultura do Estado.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO



sábado, 11 de maio de 2024

XAMEGÃO SEM O MEGÃO VIROU XAMEGO, APENAS.

por Cleudimar Ferreira




A frase “tudo como dantes, no quartel Abrantes” parece fazer sentido quando assunto em discussão é o Xamegão de Cajazeiras. Criado para ser o principal evento cultural e turístico da cidade, o Xamegão - festa popular de São João aberta ao público em geral, era programado para ser realizado durante todo mês de junho. Portanto, acontecia durante os trinta dias junino. Assim como são o Maior São João do Mundo, em Campina Grande e São João de Caruaru, Pernambuco.

As primeiras versões, foram verdadeiras apoteoses no alto sertão paraibano. Lembro que o espaço construído pela prefeitura para a realização do evento, cada ano foi ficando pequeno e, até questionamentos, passaram a ser feitos pela imprensa da cidade, onde os comentários mais calorosos era a urgência sobre possíveis transferências da praça de eventos, para outro local maior que pudesse alojar a grande massa humana e a festa com toda sua estrutura logística.  

De lá para cá, o poder público municipal, responsável direto pela realização do evento, foi aos poucos lapidando, encolhendo, tirando o brilho da festa, ou seja, afastando o público do Xamegão e com isso enfraquecendo a economia da cidade durante o período junino. Para uma cidade onde população alvissareira e festiva, não dispensa, por hipótese nenhuma, as festividades do mês junino, a desconstrução do Xamegão, marcado seguidamente por gestões inoperantes no campo cultural e turístico no município de Cajazeiras, é como se um breu ilutado maculasse avulso, a sua cultura e as suas tradições populares.

Para se ter uma ideia, as últimas edições, antes e depois da pandemia, sob a tutela do administrador municipal José Aldemir, praticamente não existiram ou não existiu. O ofuscamento do Xamegão até aqui, foi reconhecido tanto pela diminuição dos dias, como também pela qualidade das atrações nos shows, bem como pela logística no espaço da festa, seguido pela ornamentação e atrações secundárias ligadas ao período junina, que geralmente dava um colorido especial ao Xamegão.

Nesse ano de 2024, o Xamegão permanecerá sendo subtraido como dantes esteve nos quarteis dos coronéis quadrilheiros desse período. Basta ver a programação, para se ter uma ideia. Tirando a prata de casa, formada por talentosos artistas e forrozeiros, que sem saída submete a tocar por um cachê inferior aos artistas de fora; prata de casa essa, que realmente dão um show de interpretações e musicalidades; as atrações regionais e nacionais anunciadas, apresenta artistas quase em fim de carreira, de cachê baixo e brilho difuso patrocinado pela indústria cultural, muitos distantes dos holofotes, esquecidos pela mídia, como é coso dos cantores José Orlando, Beto Barbosa e o lendário forrozeiro pernambucano, Assisão. Anunciados na programação da festa.

Se esse ano 2024 não fosse um ano político, talvez o Xamegão fosso riscado do mapa junino mais uma vez, como foi em 2023. Mas é!.. E o jogo de interesses apresenta um xadrez disputado com unhas e dentes pelo atual prefeito, que quer a todo custo continuar trafegando pelos corredores fantasmas da prefeitura, como se o cargo de prefeito fosse um cargo eterno, e o Xamegão, uma festazinha qualquer que pode ser ou não realizado; que pode ser mudado ou não de período e, os seus dias de festividades, encolhidos; pois cultura popular só dá votos em época de eleição.

Entendimento assim precisa ser revisto, pois na concepção do cantor Gilberto Gil, cultura não é uma coisa extraordinária. Cultura é ordinária, cultura é igual a feijão com arroz, é necessidade básica, tem que estar na mesa, tem que estar na cesta básica de todo mundo. Portanto, o Xamegão como festa popular que congrega cultura popular, não pode ser usado como moeda de troca em ano de eleição. Carece de mais respeito, de maior atenção do poder público a cada ano. Precisa crescer cada vez mais e não diminuído e desprestigiado, como pensam aqueles que acha que cultura é um negócio qualquer.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO



quinta-feira, 25 de abril de 2024

A VOLTA DO CINE AÇUDE GRANDE


Design gráfico (em primeiro plano por) Getúlio


Os festivais de cinema realizados pelo país afora, tem feito coisa, mesmo, de cinema. É uma febre de prazer no bom sentido da palavra. Uns são mais destacados – levando em consideração, sua história, maior tempo de existência e volume orçamentário destinado a sua produção. Outros ainda novos, menos eminente, com pouco dinheiro ou buscando uma melhor equalização, se comparado com os já consolidados.

Não sei se o Cine Açude Grande, pode ser comparado com uma dessas duas versões, eu, pelo menos não sei, pois não vivo em Cajazeiras e pouca informação tive a esse respeito. Por conta disso, não conheço a sua logística. O que eu sei é que a sua história, traz na sua trajetória, cinco ou seis realizações, cada uma das versões com crescimento de público e sucesso absoluto de aceitação geral. 

Mesmo não sendo constante, já que tivemos alguns anos sem a sua realização, o Cine Açude Grande, segue numa crescente, que o tornará em breve num grande festival do gênero no alto sertão nordestino. Para isso acontecer, precisará a cada ano, do empenho mais do que especial dos seus realizadores.

É isso que se espera desse festival, cujo atrativo maior é a tradição histórica que a cidade desponta, com a existência no passado não muito distante, de três cinemas de rua e, mais um cineclube atuante, como opção para exibição e discussão do chamado cinema de arte, por uma população apaixonada por cinema.

Agora em 2024, o Cine Açude Grande, volta com força total. Portanto, você cinéfilo, amante do cinema, videomaker, documentarista e realizador, tem mais de um motivo para inscrever o seu filme. “Tire o seu filme do armário e corra para se escrever, pois o nosso portal mágico está aberto!” Assim se expressou a representação do festival.

Segundo a organização do festival, este ano o evento se multiplicará. No mês de agosto, por exemplo, uma novidade, será a realização da edição itinerante do festival, como preparação para o grande pool; para o seu grande acontecimento no mês de setembro. “Estamos ansiosos para encher as noites de setembro à beira do Açude Grande com filmes, oficinas, debates, pipoca, música no Bar de Fonfom e, é claro, muitos abraços.” Afirmou mais uma vez a representação do evento.

Então, não perca tempo, vá até a página de inscrição do Cine Açude Grande, compartilhe e inscreva o seu filme. O filme que você está ansioso para mostrar nas nossas noites sertanejas. Vamos lá!

O V Cine Açude Grande é realizado através do edital Lei Paulo Gustavo da Paraíba e do Edital de Concessão de Fomento às Mostras e Festivais de Audiovisual, realização da Secretaria de Estado da Cultura da Paraíba, Governo da Paraíba, Ministério da Cultura e do Governo Federal.

por Cleudimar Ferreira

DEIXE O SEU COMENTÁRIO



quarta-feira, 10 de abril de 2024

QUEM ESTUPROU ESMERALDA?

CRÔNICA ESCRITA POR DAMIÃO FERNANDES PARA O DIÁRIO DO SERTÃO EM 25.06.2016




Esmeralda Bernardo Gomes, é mais um nome desconhecido pela sua existência de quem é  ignorada pela sua dignidade de pessoa. Esmeralda Bernardo é uma mulher silenciada como tantas outras mulheres dessa cidade que sofrem violências domésticas ou estupros físicos e culturais. Esmeralda, pedra preciosa que é, ainda não tem pela “terra da cultura” o seu reconhecimento de uma cidadã de direitos. Essa Jovem é ainda tratada tal qual filha bastarda sem direito à herança. Tais pessoas semelhantes à Esmeralda, conseguem no máximo serem tratadas com atração circense ou elevadas ao título de “figuras folclóricas” quando a pretensão for apenas “fazer rir”. Cajazeiras é uma máquina de transformar seus sujeitos culturais em personagens de folclore; de transformar pessoas em vultos históricos.

Por isso, à Esmeralda é oferecida uma cidadaniazinha de segunda ou de quinta categoria. Tais cidadãozinhos, somente se tornam pauta de curiosidade coletiva quando são vítimas de violência física ou simbólica ou ainda quando sofrem a negação de seus direitos. Portanto, a visibilidade é sempre a partir de um pressuposto negativo. Pra ficar mais claro: Se a jovem Esmeralda não tivesse sido estuprada da forma que foi, ela iria continuar no silenciamento cultural que lhe era peculiar.

Como tantos outros, a importância de Esmeralda, na sociedade de Cajazeiras é mais como “figura folclórica” do que como cidadã legítima, visto que é mais fácil diminuir a pessoa e elevar a arte quando os interesses sobre a rótulo se sobrepõe ao da pessoa. Cajazeiras, julgando-se “a terra da cultura”, acaba por tornar as pessoas diferentes por seus talentos em folclóricas, como se fossem produtos de um tipo de indústria local.

Esmeralda Bernardo Gomes, foi violentamente estuprada, tendo por consequências do ato, um prolapso retal, ou seja, teve um extravasamento de parte do intestino para fora do organismo, pelo ânus. Penetraram o ânus da jovem Esmeralda com objetos diversos e rudes. Esmeralda Bernardo encontra-se, no momento em que você está lendo esse texto, numa enfermaria sofrendo as suas dores.

Quem estuprou Esmeralda? Que mulher ou homem de espírito público veio à mostra e emitiu uma nota de pesar à sociedade ou à família dela (se ainda ela tem) pelo ocorrido? A figura folclórica violentada não serve para o entretenimento ou para alimentar a ideia de que ela é nossa produção cultural, do nosso folclore. Quem estuprou Esmeralda não foi um ou não foram dois, fomos todos nós. Pois uma sociedade que não cuida daqueles que mais precisam de cuidado é também responsável por aquilo que lhe acontece. E a depender do tamanho da omissão, torna-se réu do mal que lhe sobrevém. Cotidianamente, Esmeralda é estuprada pela nossa indiferença política, social e exclusão cristã.

A sociedade de Cajazeiras, comete estrupo em Esmeralda e em tantas outras “esmeraldas” dessa cidade, quando insiste em tratá-las apenas como nossos produtos culturais circenses ou nossas “figuras folclóricas” de diversão. Será essa mesma sociedade patriarcal e machista que reinventará as condições para o estupro ao promover um tipo cultura como um modo de ser sustentado na violência quando muitas vezes são culpabiliza das pela dor sofrida. Tal sociedade só pode ser o resultado de uma cultura que só pode produzir subjetividades aberrantes.

[Esmeralda Bernardo Gomes, 47 anos - Conhecida folcloricamente como BABALÚ]

DEIXE O SEU COMENTÁRIO